Como espremer cada gota de ROI de seu e-mail marketing com Matthew Montoya de constante contato

Como espremer cada gota de ROI de seu e-mail marketing com Matthew Montoya de constante contato


E-mail marketing é aquele amigo de confiança que existe há muito tempo e nunca o decepcionará. Você sempre pode recorrer a ela quando precisar de ajuda. Além disso, dá-lhe um ROI médio enorme de 3.800%. São US $ 38 para cada US $ 1 investido.

Hoje, falamos com Matthew Montoya, o gerente de capacitação e treinamento de parceiros da Constant Contact. Ele ajudou a consultar mais de 13.000 empresas nas melhores práticas de email marketing. O e-mail existe há muito tempo, mas Matthew descreve as tendências atuais e o que funciona hoje.

[podcast_motor_player]

Alguns dos destaques do show incluem:

  • As pessoas que informam seu endereço de e-mail estão expressando interesse em sua empresa
  • Quantifique o valor da sua lista de emails multiplicando o tamanho da sua lista pelo preço da média que eles vendem para obter um valor em dólares
  • A maior mudança no marketing por e-mail nos últimos sete anos é o público móvel; 51% dos e-mails comerciais / sem fins lucrativos serão abertos em um dispositivo móvel
  • As pessoas costumavam passar de 35 a 40 segundos lendo um email; agora são 5 segundos
  • Os e-mails precisam ser sucintos, causar uma boa impressão e incluir uma frase de chamariz
  • Pense em um e-mail não como uma mensagem, mas em um anúncio em que as pessoas veem as informações, agem sobre elas e acessam seu website ou outro local para saber mais
  • Todo contato é importante e pode gerar dinheiro para sua empresa
  • Quanto mais segmentação e teste você fizer, melhores serão suas respostas
  • HTML vs. texto sem formatação: depende do seu público, mas e-mails HTML concisos geralmente geram respostas melhores e mais altas
  • Visualize mensagens de e-mail para ver como elas são exibidas em diferentes dispositivos
  • Conheça seu público para saber qual conteúdo ele considerará valioso e relevante
  • Pilares de marketing da Constant Contact: segmentação, personalização, automação
  • As pessoas olham primeiro para quem enviou um email, em vez da linha de assunto; email deve vir “da” marca
  • Teste as linhas de assunto para evitar a repetição e garanta que elas chamam a atenção dos leitores
  • Explore todas as opções de marketing em todas as plataformas – todos trabalham juntos para compartilhar uma história

Se você gostou do programa de hoje, inscreva-se no iTunes para o Podcast de marketing de conteúdo acionável! O podcast também está disponível no SoundCloud, no Stitcher e no Google Play.

[Tweet “How To Squeeze Every Drop Of ROI From Your Email Marketing With Matthew Montoya From @ConstantContact”]

Transcrição:

Eric: Ei, todo mundo Estás bem? Bom dia, boa tarde, boa noite, sempre que você estiver sintonizando, muito obrigado por fazer isso. Hoje, quero falar sobre o nosso bom e velho amigo, email marketing. Agora, usamos essa analogia intencionalmente porque não é isso que o email marketing é? É aquele amigo de confiança que tem estado por perto para sempre, eles nunca vão decepcioná-lo, eles sempre chegam e se agarram. Eu sempre me volto para eles. É o amigo que você liga quando precisa se mudar para o seu novo apartamento no terceiro andar e esse é o dia mais quente do ano. Eles são os que estão ajudando você a subir em seu sofá naquela escadaria estreita, gritando "Pivot. Pivô"

Ou, talvez um pouco mais relevante, de acordo com o DMA, eles são os amigos que oferecem um ROI médio de 3800%. Wowzers Deixe isso entrar por um segundo. Para você matemática whizzes, isso é $ 38 para cada dólar investido. Ah, sim, e é por isso que o e-mail marketing é nosso velho amigo mais confiável. Esse é o tópico do Podcast de marketing acionável de hoje. Eu tenho um convidado fantástico. Seu nome é Matthew Montoya. Ele é o Gerente de Capacitação e Treinamento de Parceiros da Constant Contact e esse cara apenas sabe e-mail. Ele ajudou a consultar mais de 13.000 empresas em práticas recomendadas de marketing por e-mail.

Se você é como eu, está pensando: "Bem, fizemos algo por tanto tempo que o e-mail parece estagnado. Mas ele está aqui para compartilhar com você o estado de marketing hoje. Quais são as tendências? O que está funcionando com o design? O que não é? O que está funcionando com capacidade de entrega? O que está funcionando com a segmentação e personalização da lista de e-mail? Teste de linha de assunto, análises, todo o kit e caboodle. Há muito o que pensar e ele vai colocar tudo na linha para nós.

Meu objetivo é que, quando terminar esse episódio, você se sinta muito mais confiante em ingressar em 2019 em suas práticas recomendadas por e-mail. Tudo bem, meu nome é Eric. Eu sou o Brand and Buzz Manager aqui no CoSchedule. Eu não posso esperar para entrar na minha conversa com Matthew. Tudo bem, vamos nos empolgar.

Bem vindos a todos, ouvintes. Estou animado com o programa de hoje. Temos Matthew Montoya, o Gerente de Capacitação e Treinamento de Parceiros da Constant Contact. Bem vindo ao show, Matthew.

Matthew: Ei, obrigado por me receber, Eric. Realmente animado por estar aqui.

Eric: Isso é ótimo. Estou muito animada com este episódio, Matthew. Sou um nerd do marketing por e-mail antes de ser o Gerente da Brand e da Buzz na CoSchedule. Eu tive uma vida prévia mergulhando em e-mail marketing e automação de marketing. Este é um tópico que realmente me impressiona, por isso estou animado para mergulhar nisso.

Mateus: Eu também sou. Eu amo compartilhar essa informação. Estou com a Constant Contact há sete anos. Eu não teria me descrito como um nerd de e-mail marketing antes de trabalhar na Constant Contact, mas, garoto, tem sido um passeio emocionante. E-mail marketing no meu tempo aqui mudou drasticamente nos últimos sete anos. O que costumava ser uma prática recomendada evoluiu e, através dos canais de mídia social, em qualquer tipo de marketing digital que você esteja fazendo, está discutindo. As regras mudaram. Eles mudaram drasticamente no e-mail marketing.

Eric: Sim, absolutamente. As pessoas às vezes pensam que pode parecer estagnado, mas sei que não é a verdade. E-mail marketing, e-mail em geral, mudou um pouco. Mas antes de mergulharmos novamente, quero entrar em você. Eu estou chamando você de frio Fargo, Dakota do Norte. Eu sei que você está na Flórida. Nós estávamos conversando antes. Seu ar condicionado matou em você. Espero que você consiga ficar legal durante a nossa conversa hoje.

Matthew: sim. Dependendo de onde você é ouvinte, provavelmente estou com um mau cheiro. Ai de mim que estou em 80 graus em outubro. Isso é divertido quando você está fora. Não é tão bom quando você está em um podcast.

Eric: Não. Muito, muito verdade. Bem, estou animado por alguma conversa quente que temos aqui. Boa transição, não foi?

Mateus: ótimo.

Eric: Tudo bem, Matthew, antes de nos apressarmos demais, eu adoro que você tenha apenas um momento, talvez diga aos nossos ouvintes sobre sua jornada e então talvez apenas um […] sobre o contato constante, se você puder.

Mateus: Sim, claro. Minha jornada de marketing começou – eu odeio admitir isso – há quase 20 anos. Eu trabalhei em um jornal, Village Voice Media. Era o Village Voice, provavelmente a maioria das pessoas conhece o nome pelo menos. A Village Voice naquela época tinha uma coleção de jornais em todo o país e eu trabalhei em um jornal em Nashville, que acabou levando a promoções a um conjunto de jornais no mercado de Miami e Fort Lauderdale.

Lendo a escrita na parede – trocadilho intencional -, percebi que a impressão não era a indústria mais saudável para eu crescer minha carreira como pai de dois filhos e começar a migrar para o digital. Infelizmente, a recessão atingiu e eu encontrei-me tomando qualquer trabalho que eu poderia conseguir e esse trabalho era sem fins lucrativos. Eu vou te dizer, as organizações sem fins lucrativos do mundo, eles têm um verdadeiro desafio. É muito difícil não apenas comercializar uma organização sem fins lucrativos, mas, em geral, organizações sem fins lucrativos não têm um orçamento para uma equipe grande ou muitas iniciativas, por isso é muito complicado.

Uma das coisas que fizemos foi usar o Constant Contact. Nós compramos a Constant Contact, fizemos pesquisas com a Constant Contact, eu era um usuário de contato constante por quatro anos. Felizmente e talvez infelizmente para a organização sem fins lucrativos, gostei tanto de usar o produto que perguntei sobre empregos e fui contratado há sete anos na Constant Contact. Minha jornada até lá, oh garoto, é literalmente uma jornada.

Eu principalmente faço falar em público e […] para o Constant Contact e isso me levou pelo país a 47 estados. Nos sete anos, ensinei mais de 12.000, 13.000 pequenas empresas e organizações sem fins lucrativos pessoalmente. Tem sido estimulante ajudar todas essas organizações a crescer em marketing por e-mail e marketing de mídia social também, em menor grau. Agora, meu trabalho, felizmente para minha família, é sentar atrás do microfone a maior parte do tempo na minha ensolarada casa na Flórida.

Em relação à Constant Contact, se você não estiver familiarizado com o Constant Contact, o Constant Contact é uma ferramenta que ajuda você a conquistar sua marca, seus produtos, o que você faz e oferece em um formato profissional por meio do marketing. Mas o poder real do contato constante é um, é deliverability. Muitas pequenas empresas, empresas de médio porte e organizações sem fins lucrativos, se não usam uma ferramenta de marketing de e-mail em massa como a Constant Contact, podem usar o Outlook ou o Gmail, ferramentas como essa. Infelizmente, a lei federal diz que você não pode fazer isso, que você tem que dar às pessoas a capacidade de cancelar a assinatura de um email de marketing. Claro, Gmail, Hotmail, Outlook, esses tipos de ferramentas não oferecem isso.

Essa é a primeira coisa que a Constant Contact oferece, é apenas a possibilidade de cancelar a inscrição das pessoas. Mas o valor real de uma ferramenta como o Constant Contact está no relatório. Sabendo quais e-mails as pessoas abrem e muito mais importante, saber quais links eles clicam é realmente importante, especialmente na idade atual. Nós vamos entrar nisso, tenho certeza um pouco mais tarde, Eric. Saber o que as pessoas clicam informa sobre o que elas estão interessadas e você pode realmente obter essas informações, detalhar e fazer marketing direcionado com base nessas informações.

Eric: Isso é bom. Eu acho que a parte mais legal do que você acabou de dizer foi que você ajudou mais de 12.000 ou …? Sim, não posso imaginar o bom, o ruim e o feio. Eu acho que a beleza disso é que eu sabia que você era a pessoa certa para vir nesse programa, porque eu tenho certeza que você aprendeu muito só de observar o que as pessoas estão fazendo, o que está certo e o que está errado, o que está funcionando e o que não está trabalhando, e mal posso esperar para compartilhar isso com nosso público.

Onde eu quero começar, Matthew, se pudéssemos é, onde no mundo está o estado do email marketing hoje? Mais uma vez, sinto-me um dos mais experimentados e verdadeiros, que se gaba, ainda tem o maior ROI quando se trata de esforços de marketing. É como o santo graal do marketing. Acho que as pessoas, se não acreditam nisso, devem acreditar porque eu, pessoalmente, acho que é a verdade. Mas onde estamos hoje, Matthew? O que mudou? Como a paisagem muda? O que foi há cinco anos? O que é agora? Ajude nossos ouvintes a entender como o cenário de e-mails se parece agora.

Mateus: Tem um pouco de carne para descompactar. Primeiro, deixe-me começar com o motivo pelo qual esse ROI é tão grande. Eu acho que, se posso chamar assim, tenho um sentimento geral, especialmente de estar no campo que o email marketing pode ter – por falta de uma palavra melhor – menos apelo sexual do que as mídias sociais e outros tipos de marketing. Acho que quando as pessoas pensam em marketing por e-mail, talvez reviram um pouco os olhos. Mas a realidade é que o email marketing é diferente de outros tipos de marketing nos próprios endereços de email.

Nós pensamos sobre isso de uma perspectiva de negócios, uma perspectiva sem fins lucrativos, qualquer um que lhe forneça o endereço de e-mail deles / delas no curso dos negócios deles / delas com você — isso pode ser uma compra que pode ser um telefonema que talvez há pouco a um feira onde você está negociando cartões – eles estão lhe dando o endereço de e-mail deles, bem, eles estão mostrando a você um interesse em seu negócio. Eles conhecem a organização. Eles são um pouco vendidos no conceito. Eles sabem o que você faz e eles estão interessados ​​em talvez fazer negócios com você. Às vezes, isso pode ser mais evidente. As pessoas realmente fazem negócios com você.

Independentemente disso, isso não é uma má ideia, pois as pessoas estão apenas começando o marketing que elas não querem. Eles querem o marketing e, assim, cada endereço de e-mail que uma organização coleta tem esse valor potencial armazenado nele. Na verdade, eu sempre incentivo as pessoas a realmente quantificarem o valor de sua lista multiplicando o tamanho de sua lista pelo plano de preço da coisa média que vendem, fazem, oferecem, etc. O que você vai chegar é um valor em dólar.

Agora, todos nessa lista irão converter? Não, claro que eles não vão. Mas é importante ter respeito pelo fato de que essas pessoas já estão um pouco vendidas ou foram vendidas com base no que você faz, de modo que você entende que as melhores práticas são realmente importantes para extrair todo o valor dessa lista. Se invertermos isso e pensarmos: "Ok, essas pessoas nos conhecem, sabem que receberão email marketing de nós." Não é uma grande surpresa que o ROI seja tão bom para o marketing por email, porque eles já são ou vendidos ou eles, pelo menos como eu disse, foram vendidos no conceito.

A segunda parte, na medida em que o Estado da União, se você quiser, e isso cai na minha experiência com tantas reuniões, tantas pequenas empresas e organizações sem fins lucrativos, em primeiro lugar, eu as conheci em cursos de oito horas. Eu realmente aprendi sobre cada pequena empresa e médias empresas que eu conheci. A grande mudança nos últimos sete anos e, especialmente, a aceleração nos últimos três a quatro anos, é o público móvel.

Isso não deve ser uma grande surpresa para seus ouvintes. Eu estarei disposto a apostar que eles podem estar ouvindo este podcast em seus smartphones, eles certamente estão checando e-mails em seus smartphones, e se pensarmos sobre isso, há tantos aplicativos populares por aí. Há sempre o mais recente e melhor aplicativo de jogos ou funcionalidade. Mas o único aplicativo que a maioria das pessoas nem sequer considera como um aplicativo é o e-mail, e, no entanto, esse é provavelmente o aplicativo mais usado em seu telefone, pois é onde estamos fazendo negócios. Estamos constantemente verificando esse aplicativo de e-mail e, no entanto, ninguém realmente pensa dessa maneira.

A penetração com o público móvel já ultrapassou a marca de 50%. Em média, 51% dos e-mails comerciais ou sem fins lucrativos típicos serão abertos em um dispositivo móvel. A grande mudança C é o tempo. Quando comecei nesta indústria, o tempo médio que alguém gasta em um e-mail estava em algum lugar ao norte de 30 a 45 segundos. Graças aos leitores móveis, isso pode ser tão baixo quanto cinco segundos.

Projetar um e-mail que possa causar uma boa impressão, ter um forte apelo à ação, fazer com que as pessoas acessem o site dentro de uma janela de tempo de cinco segundos, exige que alguém realmente pense cuidadosamente sobre o grau de sucção do e-mail. Você realmente quer que as pessoas entendam o conceito, saibam qual é o valor e façam algo muito rapidamente, porque assim que clicam, o valor muda, a hora muda.

Agora, porque eles se comprometem, porque clicaram em um link no e-mail, você não está ganhando mais tempo porque eles se comprometeram a aprender mais. Eu sempre digo a pequenas empresas, médias empresas, pense em um e-mail não como uma mensagem. Não é uma forma de comunicação no que diz respeito ao marketing por e-mail. É um anúncio da mensagem. É quase como um outdoor. Você quer que as pessoas vejam as informações, ajam de acordo com elas – se estivermos pensando na analogia do outdoor, saem da estrada na rampa de saída – e acessem o site para saber mais.

No site, você tem mais chances de convertê-los. Não precisa ser um website se você não tiver um website. Pode ser um blog ou uma mídia social, mas queremos que eles sejam em outro lugar, assista a um vídeo. Queremos que eles sigam para outro lugar, porque passaremos mais tempo com eles e teremos mais chances de convertê-los.

Se eu pudesse envolver todo o Estado da União e transformá-lo nessa coisa, pense primeiro nos leitores móveis. Se você projeta para leitores em dispositivos móveis, você alcançará seus leitores de PC / Mac. Mas se você projeta para PC / Mac primeiro – e quando digo isso, conteúdo longo, conteúdo muito longo e complexo – você provavelmente perderá o número de leitores em dispositivos móveis e provavelmente, graças ao comportamento, você provavelmente perderá Leitores de PC / Mac.

Agora, uma coisa que quero esclarecer, caso alguém esteja confuso, a Constant Contact é responsiva a dispositivos móveis. O que significa que não importa o que você faça, o e-mail será renderizado em um PC, Mac ou dispositivo móvel. Mas se você realmente tiver um texto longo e a versão para PC / Mac, ele ficará ainda maior quando ficar em cima de um ao outro em um dispositivo móvel. Então, muito longa resposta para uma pequena pergunta lá, Eric, mas é muito importante.

Eric: Não. Alguns pontos realmente bons lá, mas o que eu quero que todos os nossos ouvintes lembrem, "Não subestime o sex appeal do email marketing".

Matthew: Bem, acho que é muito sexy. Toda essa idéia de que todo contato importa, que todo contato pode gerar dinheiro real para sua empresa ou para sua organização sem fins lucrativos, é fundamental. Cada pessoa, porque mostra esse interesse, poderia gerar receita. Não fazemos marketing por e-mail, mas certamente não obteremos receita deles, mas se não seguirmos as práticas recomendadas, provavelmente também não teremos.

Eric: Acho que algo que nosso CEO, Garrett Moon, gosta de dizer é: “É um dos últimos canais que você tem como profissionais de marketing, onde não é ditado alcançar seu público por um terceiro ou um algoritmo como o social. É por isso que sua lista de e-mail e marketing por e-mail precisam ser feitos tão bem e com um foco tão bom nisso. ”

Vamos ficar um pouco mais detalhistas com isso, Matthew. Vamos começar a pensar em talvez até mesmo os rostos de e-mail começando com o design. Você usa imagens? Você faz vídeo? Você faz HTML versus texto? Depende se você está falando com B2C versus B2B? Eu me sinto como um profissional de email marketing, há muitas opções que temos. No CoSchedule, fazemos muito mais texto versus material baseado em HTML. Obviamente, há certos navegadores que renderizarão imagens e, em seguida, alguns que exibirão o vídeo. Quais são as tendências? Talvez seja por onde começar. Tenho certeza de que há algumas singularidades, dependendo de quem você é e com quem você está falando, mas quais são as tendências que estão nos dizendo, eu acho?

Matthew: Bem, em primeiro lugar, é muito complicado para mim em um formato como este com um podcast para compartilhar dados com pessoas porque só posso compartilhar práticas recomendadas. A parte complicada do marketing em geral, especialmente com o marketing por e-mail, é o mais direcionado possível e, certamente, quanto mais testes você fizer, melhores serão suas respostas. Cada um de vocês que ouve hoje são diferentes e suas organizações são diferentes, e seus clientes e seus assinantes e sua comunidade são diferentes. Para eu compartilhar as generalidades, eu me sinto um pouco preocupado com isso, porque todos vocês são diferentes. Eu só posso falar em alto nível, claro. Mas quando se trata de conteúdo, há dois quadros de pensamento: HTML versus texto simples. O HTML seria rico em recursos, o que significa que há imagens, às vezes há vídeo, é um pouco mais atraente e, em seguida, o texto simples é, literalmente, apenas texto.

O contato da Constant Contact é se você está preso e você não sabe qual direção seguir, vá para HTML. HTML geralmente causará uma maior resposta. Por exemplo, de acordo com uma organização Content Lead, 82% das audiências reagirão mais. Quer dizer, eles clicam mais, eles realmente respondem mais a e-mails com imagens. Algo como o vídeo de acordo com a Wistia, o vídeo terá uma taxa de cliques 300% maior do que apenas uma imagem ou um hiperlink.

Isso cai no que falamos no início, Eric, que é o tempo. Uma imagem, diz o velho ditado e é tão verdadeiro com o marketing por e-mail: "Uma imagem fala mais que mil palavras". Bem, se você tem uma janela limitada de tempo na frente do seu público, essa imagem se torna realmente importante para transmitir sua mensagem. Um vídeo fala mil imagens. Não é uma grande surpresa que, na Constant Contact, os e-mails com conteúdo, HTML, obtenham respostas mais altas. Dito isto, como eu disse, cada audiência é diferente, cada organização é diferente.

Também está comprovado que o texto simples obtém uma resposta mais alta se o conceito da organização se encaixar nesse modelo. Eu acho que seu CEO, acho que você disse, é um grande crente em texto simples, não é uma grande surpresa por causa de quem você está falando. Voltaremos a talvez um varejo, ou talvez até um B2B, se eu não tiver um relacionamento que esteja no contexto da comunicação de conteúdo profundo e conceitos complexos – a relação que usaremos, usaremos você, por exemplo, o relacionamento que você tem com seus inscritos é provavelmente mais profundo. Eles provavelmente confiarão mais em você para a educação do que a mamãe e a padaria pop.

Como cada organização é diferente, eu incentivaria o público-alvo ou, se você for realizar um e-mail marketing ou se estiver realizando um e-mail marketing, teste-o. Você pode criar duas versões do seu email; um texto sem formatação, apenas informando seu público sobre o conteúdo e outro com HTML, talvez corte sua lista pela metade e veja se a resposta é diferente. Encorajo-os a testar qualquer tipo de conceito dessa maneira, especialmente se você está em dúvida e se deve usar HTML, ou seja, imagens, botões e conteúdo desse tipo, ou texto simples com apenas palavras e hiperlinks. Teste e veja como seu público responde.

A última coisa que vou dizer é que, aqueles que se inclinam mais para o texto simples, o problema com o HTML é que as pessoas ficam um pouco felizes com isso. O problema é que, enquanto uma imagem fala mais que mil palavras, se eu colocar 18 fotos no meu e-mail, você estará sobrecarregando seu público nesse curto período de tempo. Nossa pesquisa conclui que e-mails que são sucintos, três imagens ou menos, não incluindo seu logotipo, cerca de 20-25 linhas de texto, basicamente um parágrafo, não mais do que três calls-to-action, tendem a obter uma resposta maior do que texto simples e Certamente, obter uma resposta maior do que e-mails HTML com muito mais do que isso. Geralmente, quando olhamos para o desempenho, o HTML pode superar o texto simples se um design sucinto for colocado em ação.

Eric: Voltaremos a nossa conversa com Matthew em apenas alguns segundos. Antes de fazer isso, tenho dois favores rápidos para pedir a você. Um, se você ama este podcast, por favor, nos dê uma avaliação e revisão no iTunes. Tire um pequeno instantâneo disso e mande um email para mim em [email protected] Eu venho dizendo isso há semanas, mas você sabe o que? Eu vou te pegar com um pacote muito legal. Espero que você faça isso. Em segundo lugar, se você estiver pensando em uma plataforma de e-mail marketing ou mudar para uma, recomendo aos nossos amigos da Constant Contact. Eles fazem isso há mais de 20 anos. Eles definitivamente se comprometerão em ajudá-lo a ter sucesso e eles sabem o que sabem, como você pode dizer ao ouvir Matthew, e você pode tentar de graça. Basta ir para coshedule.constantcontact.com. Tudo certo. De volta a nossa conversa com Matthew.

Quando você faz isso, eu acho que se falarmos sobre HTML, você vai construir um pouco desse design lá, você tem que se preocupar – você coloca toda essa energia e esforço – como será quando chegar ao caixa de entrada? Pelo menos no meu passado, às vezes, o que você acha que vai parecer nem sempre é como é. Provavelmente, isso varia em cada provedor de serviço de e-mail que existe por aí. Você recomenda algo como um Litmus que não só mostrará a aparência do celular, mas também mostrará como ele se parece em uma área de trabalho, seja no Outlook ou no Gmail; proíbe que eles ainda estejam usando um Yahoo, ou seja lá o que for, o que quer que estejam usando. Qual é a sua recomendação relativa se eles decidirem usar a rota HTML?

Mateus: Claro. Primeiro de tudo, o Constant Contact é realmente básico. Nós damos um passo atrás. Contato constante lhe dará uma prévia em ambos os dispositivos móveis e PC / tablet / Mac. Mas também temos uma integração com o Litmus onde você pode, se você decidir subir de nível e pagar o Constant Contact, faremos uma integração com o Litmus para que você possa vê-lo no Constant Contact. Apenas no caso de alguém não estar familiarizado, Eric você realmente disse isso muito bem, mas Litmus lhe mostrará uma prévia de uma ampla variedade de clientes de e-mail específicos e tipos específicos de telefones, porque eles podem alterar dispositivo, dispositivo e dispositivo.

Dito isso, a Constant Contact, desde que você esteja usando a nossa versão mais recente – não sei quem está por aí -, mas se você usa o Constant Contact há anos, a Constant Contact, como empresas de software, o iterará no que chame uma versão três. Se você é uma pequena empresa ou uma empresa de médio porte ou sem fins lucrativos que copia o e-mail da semana passada para produzir o e-mail dessa semana, pode estar copiando a si mesmo continuamente em nossa iteração mais antiga.

A iteração mais antiga, porque foi escrita por volta de 2009, às vezes não renderiza como você queria. Agora, se você usa a nossa versão mais recente e certamente pode ligar para a Constant Contact se estiver confuso – e, novamente, isso é apenas para pessoas que têm nos usado há anos – se você estiver confuso, ligue para nós e informamos em que versão você está. Tudo o que você precisa fazer para entrar na versão mais recente é criar um novo e-mail e você estará na nova versão. A nova versão renderiza muito bem em todas as plataformas.

Agora, no que diz respeito a Litmus, se você estiver usando outra empresa, o que é bom, outro provedor de e-mail, tudo bem, ou se você não quiser fazer upgrade no Contato constante, poderá comprar o Litmus sozinho. É realmente bonito. Ele realmente sincroniza com o contato constante. Gostaria apenas de dizer que, voltando à sua pergunta original, é uma questão de quão grande é o seu orçamento. Litmus é uma bela ferramenta e eu vou em frente e ser transparente aqui, eu uso o Litmus para marketing que eu faço. Mas dito isto, vem a um ponto de preço bastante decente. Se você adicionar isso em cima de outras coisas que você pode estar usando e fazendo, é algo que deve ser feito especialmente para uma pequena empresa ou uma pequena organização sem fins lucrativos.

Eric: Sim, isso é um bom ponto. Bom feedback lá. Quando estamos elaborando nossos e-mails, colocamos todo esse esforço no design, eu acho. Uma coisa que talvez você tenha mencionado brevemente é conhecer seu público e saber qual conteúdo seu público achará valioso. Eu acho que isso me leva aonde o email marketing realmente canta é quando estamos sendo inteligentes, quando estamos segmentando, quando estamos segmentando, quando estamos personalizando, pelo menos é assim que fazemos as coisas aqui. Você pode responder a isso, Matthew? Quero dizer, a Constant Contact viu a diferença em talvez taxas de cliques ou mesmo taxas de abertura ou etc. quando você realmente está focando seu conteúdo da maneira certa?

Matthew: Eu pareço sempre responder em forma longa a perguntas simples. Eu sinto Muito.

Eric: Tudo bem.

Matthew: Eu vou ter que fazer isso de novo aqui, porque uma razão pela qual nós iteramos a versão três é basear-se em três pilares de conceitos de marketing e nossa ferramenta agora está entregando isso. Esses três pilares estão onde todo o mercado está se movendo e isso inclui mídias sociais, web marketing, etc. Esses três pilares são segmentação, personalização e automação.

Tipo de automação se sobrepõe a ambos. Com a segmentação, no caso de você não saber qual segmentação é qualquer pessoa que está ouvindo, ela está pegando uma lista grande e dividindo-a em partes menores com base em critérios semelhantes. Agora, isso poderia ser afinidade com o produto, que poderia ser código postal, que poderia ser sexo, nível de renda, o que faria sentido para sua organização. O segundo pilar, que é personalização, é literalmente colocar as informações pessoais de alguém e, com isso, quero dizer o nome, o cargo, o nome da empresa, algo assim, dentro do e-mail. A última parte está automatizando tudo isso, basicamente definindo os critérios de: “Oh, quando alguém demonstra interesse em X, eu os entrego automaticamente.” Nossa ferramenta funciona em todas essas frentes.

Agora, com segmentação, a primeira coisa complicada para o negócio médio, a média sem fins lucrativos é o tipo de feedback que muitas vezes recebo quando as pessoas dizem: “Não sei nada sobre meus inscritos. Eu nunca pensei em perguntar. ”Bem, eu sei, Eric, você compartilhou comigo, você falou sobre construção de listas. A primeira coisa que você pode fazer como organização é perguntar; pergunte on-line, pergunte nas mídias sociais, pergunte pessoalmente e receba os dados que você acha que precisará ao receber o endereço de e-mail deles. Se já temos pessoas na lista, uma coisa que você pode fazer é, se você estiver usando o Constant Contact ou estiver fazendo email marketing, veja seus dados. Veja o que você enviou versus o que eles clicaram e segmentam dessa maneira.

Vou usar a mãe e a padaria pop de novo, se eu tiver três bolos diferentes, e depois olhar para quais doces – nossos três pastéis diferentes em um e-mail específico – olhar em quais bolos as pessoas clicaram, agora sei quem está mais interessado em donuts e quem está mais interessado em pão fresco. Segmente assim.

A última parte dentro de apenas obter seus dados em ordem é propositadamente colocando links para fazer essa pergunta. Colocando estrategicamente, subvertida ou abertamente, conteúdo para fornecer informações sobre os assinantes. Você pode fazer isso de forma discreta e ter apenas aqueles produtos diferentes e monitorar o que as pessoas clicam ou você pode ser realmente franco e dizer: "Ei, estamos tentando fazer um trabalho melhor para obter suas informações. Clique aqui se você mora neste código postal, clique aqui se você mora neste código postal, clique aqui se você mora neste código postal. ”Constante Contato do curso rastreia quem clica no que e você pode facilmente migrar essas pessoas automaticamente para um mais novo lista existente para marketing direcionado mais tarde.

Segmentação também vem em contato constante via relatórios. O Contato Constante informará a você quem clicou em qual link durante um determinado período de tempo, ou quem abrirá emails durante um determinado período de tempo, ou quem da lista em que clicou em um determinado link durante um determinado período de tempo. Também podemos dizer a você quem não abriu um e-mail, quem não clicou em links. O Contato Constante informará os dados, reunirá tudo para você se você tomar decisões de segmentação dessa maneira.

A última peça é a automação, que está apenas automatizando tudo isso. Automating based on when somebody joins a list and tells you they’re interested in this particular product or this particular feature. You can automatically create or you can automatically send a series of emails about that particular subject matter. As we move into 2019, we’re going to double, triple down on some of those offerings and to really try to move the market towards that idea of, to get a response, your email must be relevant to your audience. To really pull the value out of the list, that content must be perceived as relevant.

I promised you this is going to be a long answer. The problem is that when I meet so many small businesses and non-profits and medium-sized businesses is that a lot of people worry about unsubscribes. That’s a decent worry. I understand that. But the reality is most people don’t unsubscribe. They just stop paying attention.

I’ll be willing to bet in your listener’s inbox right now and even in your inbox right now, Eric, there are emails from organizations that you have bought from, that you have donated to, that events you’ve attended. You have shown some interest or maybe even pulled out your credit card with these organizations, but you stopped paying attention.

The reason you stopped paying attention, the reason those emails became white noise in your inbox, is because they sent you, at some point, an email that was irrelevant to you. At some point, you opened the email and it was like, “Nope. Not today, Ford. I don’t need a car today,” and you stopped paying attention to it.

That’s the real danger is that when you fall out of mind when you’re not top of mind, when that need occurs, they’ve already forgotten you. They’re not even thinking about you. That email comes in and people just zip right past it. It’s really important for everybody, if there’s one huge takeaway today beyond just building a mobile-responsive and mobile-friendly email, it’s making sure your content within that email is relevant, it is relevant as possible, and the number one way to make an email relevant is to segment and target.

Eric: Awesome. It was lengthy, but it a great answer, Matthew. There’s a lot to absorb, a lot to think about with email marketing and I can not talk about subject lines. We know the importance and crafted this beautiful, you’ve segmented, but you got to find a way to hook them. You said you got five seconds but before you even have five seconds, you got to get them in with the subject line and this is extremely passionate for us at CoSchedule.

We’ve created the email subject line tester here at CoSchedule. It’s a free tool that we have for anyone as well if you are a CoSchedule user. It’s built into the product as well. We’ve looked at all of the studies, we’ve done tons of research to figure out, “What are these subject lines that are grabbing attention and getting those opens and getting those click-throughs?” It’s really full, you can score your subject line. If you haven’t checked it out, I recommend you do so. I don’t promote a lot of our stuff on the podcast, usually, but I think this is such a cool tool that we’ve built. I know Matthew must have some thoughts as well on subject lines. Are there any quick tips that you can give our listeners when you’re developing those as well?

Matthew: Absolutely. First of all, I think when it comes to the AB split test, you should talk about it. You should be proud of it because having worked with so many organizations, subject line is the one thing that generally, just befuddles everybody. I understand, having been in their seat building emails. When the time comes to write that subject line, all my creativity zap and I am just out of ideas. You should applaud yourself. That’s a great feature to offer and I encourage everybody to try it if you’re using CoSchedule.

Coming back to your question, the first thing I’d suggest to everybody is what you touched on there for a second, Eric. You’ve got a split second. I mean, no matter what content is in the email, if they don’t open the email it’s all for naught and of course, you’re not pulling the value out of your list in that situation. Thinking about yourself, decline is critical. But the reality is, most organizations are worried about the wrong thing to a certain extent. It’s the from name that drives the majority of your opens.

If you think about the inbox, if people are zipping through their inbox, they’re likely not reading subject line to subject line to subject line. They’re first looking at who sent it. If we put that in a working concept or wrap that into your life at your office—even if you are an entrepreneur you probably worked in an office at some point—you’re looking at which coworker, which boss who sent you the email and based on that person, you’re deciding, “Oh, this came from the CEO. I better open it. Oh, this came from one of my vendors. I can wait.”

Eric: Yeah, guilty of that big time.

Matthew: Everybody is. You only have so much time in your day. You’re first making decisions on that and the best practices around from name, it honestly comes to a difference between your organization type. Generally, the best practice from the from name, and what I mean by the from name is who is sending the email. Generally, the best practice is to have the email come from the brand. Most people probably know the brand more than the functionary that’s building the email, unless you are the brand. I’m speaking specifically to entrepreneurs, owner, operators, doctors, lawyers, people of that nature, they are the brand to their constituency, then the email should come from you.

Now, the old-school thinking was that an email coming from a person can get higher opens and the reality is it can. You build a relationship with people, we’re all human beings, all buying is relationship-based and emotional-based so it makes sense. The problem is is that if you have an email come from a person and that person isn’t the brand, if they happen to leave your organization, they can take brand equity with them. You have to be careful at who you invest in as the brand.

If you’re the CEO, odds are especially if you’re the entrepreneur or the owner/operator, you are the brand. You go, there’s no brand. If you’re a consultant, if you’re a doctor or a lawyer or et cetera, you are the brand. You leave there, there’s no brand. But generally, and especially anybody that’s on the fence on this particular thread that I’m on, it’s probably best to go with your company name or your organization name. That’s probably the more familiar name. Those of you that have an acronym, make sure that acronym is commonly understood by your audience.

That now leads to the subject line. With subject line, if you couldn’t tell already what my answer be, it’s test, test, test. If there’s one issue that I consistently see with subject lines is people fall into, I’m going to use the word, bad habits. It’s not a really bad habit. It’s just that they get creatively burnt out and they keep using either the same subject line week after week, month after month, or some slight variant of it, without ever questioning whether that is the right subject line model for their audience.

I encourage everybody to test their assumptions and consistently test their assumptions. You can’t use a better tool to test assumptions than something like CoSchedule’s Split Tester because you put in that same tried and true subject line you might always use or that model you always use and then put in something really different. That something really different might include emojis. Constant Contact supports emojis. We have an emoji picker right in our subject lines. Or personalize it. Personalization of your subject line can increase the response, sometimes up to 30% higher opens. Constant Contact, we’ll give you the ability to put personalization right from the subject line field. Or maybe write a subject line as a question. Use numbers to start off your subject line like ‘three tips’ or ‘seven ways.’ You could use some creativity like using a familiar song title, a famous political quote, a famous movie title. Something like that that would be recognizable to your audience.

The real thing you want to think about when you’re writing your subject line again, is to test your assumptions, and realize that the subject line is really meant not just to inform people but more to grab their attention. You’re zipping through your inbox within milliseconds something that looks a little different or that familiar in a sense like a pop culture reference, is going to get more eyeballs than it likely get more opens. But of course, if they don’t recognize the from name, they’re not even going to notice that.

Eric: That’s fantastic advice. Eu amo isso. Eu amo isso. Sometimes when we have these conversations and we’ll dive deep within a podcast, we’ll talk about maybe one marketing avenue—today, it’s email marketing—I think what we need to understand as marketers is really whether it’s a campaign we’re working on, or it’s an event we’re about to promote, or our product feature, or a new cake you’re releasing, whatever you’re business does, is that often these marketing efforts are orchestrated, and I think email is one of those things. Maybe you’re doing a billboard, maybe you’re doing some new content on your blog post. An email often is a component of that and I think making sure email can be orchestrated with your other marketing efforts is extremely important.

That’s why one of the things that we’ve done at CoSchedule is just in the past two months, three months, we announced some email integrations. Obviously, constant contact is one of those. That way, you as a marketer, you can see all the content that you’re creating, all the efforts you’re doing on and boom, email marketing is right there.

Matthew, is there any expertise or advice that how you should work in email with the rest of your campaigns, if you found out, is it driving them to a landing page? Really, you’re teasing them to the next step, which is typically any page. Maybe thinking too what that call-to-action is. Any final thoughts on that?

Matthew: Yeah, sure. First of all, my goodness I wish I had CoSchedule back when I was sitting behind the desk doing marketing. I think people are surprised because I work for an email marketing company, that I don’t suggest email marketing be the only marketing you do. Social certainly has a significant place in your web-based marketing, blogs–it all really works together. I’m a big advocate for sharing and I’m going to use the word story, not necessarily a story like a book story, but sharing the story of what it is you’re doing, sharing at the cross-platforms.

For instance, we’ll just use the context of what we’ve been talking about. I might talk about a particular best practice in email marketing and lead people to social to read more, or lead people to a video that I have on YouTube to learn more. On that video, I might suggest people join me on my blog to learn more about this particular subject matter, or to join my mailing list to learn more. In my social, I might talk about a subject matter and lead people to my website. Now, my website of course, I can lead them to social or email, kind of sharing bits and pieces of related content around that story is going to broaden the audience that’s receiving it.

Odds are, not everybody on your list is on your social, not everybody on your social is in your email, not everybody in your email is watching your video or visiting your site or reading your blog. Sharing pieces around makes sure you hit as many different kinds of people as possible and because not everybody, let’s say on your list is following social, well, it’s a really smart thing to drive them to social.

It’s funny because so many small businesses never think if they’re going to put a link in their email—and remember, links really key because we track that link; we tell you who clicked on it, telling you more information about your subscribers—they always think they must lead the link to their website. Occasionally, link to an article you wrote on Facebook, or link to your Twitter account, where people can have a conversation. You want to link that way occasionally, one, to increase your followers, but two, to get more interaction on that social media platform. It just increases your credibility. Kind of having a cohesive story is really a very smart way to do your marketing.

If I can come back to my fantasy of having a tool like CoSchedule when I was doing marketing for the non-profit and for the paper, it would have simplified my life because it’s crazy how fast technology has changed. I used to have to have three, four windows open or maybe a couple of browsers, and I was writing things down and using Excel to track all my various initiatives. Given that I was at the non-profit, one staffer of two, that was a real pain to have that complex storytelling component. The idea of having all of your marketing and all of your projects in one place is brilliant.

Eric: Well, thank you. That was an unpaid recommendation for CoSchedule. I appreciate that, Matthew.

Matthew: Everybody, that’s from the heart. I lost so much time. I’ll give you a quick story on that. When it comes to calendarizing—I think I may be making up a word—your business life, it can be easy to get lost in the weeds. When I was working for the non-profit, I came up with a great campaign, it was going to be the launch for an initiative, I was going to do at across different platforms and across different vehicles in marketing.

I launched it without realizing that there was a holiday really significant to my audience right in the middle of it. Had I just been able to take a step back and look at the big picture, I probably would have avoided that or had made haywood, that I may have even used that holiday in part of my marketing.

Instead, I saw a decrease in behavior because people weren’t paying attention. It’s really important to have that big picture. Anybody that’s listening, Eric hit the nail on the head. We’re not getting paid for promoting CoSchedule. It’s really a smart thing to do to be thinking big picture and don’t get lost in the weeds.

Eric: Great advice. I wish we could go for another 30 minutes, but there’s so many great rabbit holes to run down when it comes to email marketing. I thank you so much, Matthew, for coming on the show. This has been fantastic. I think again, it’s good to revisit these marketing channels and email marketing. Thank you for letting us know what things have changed, what things to focus on. I think all of us is a good reminder for it. I know you’ve got an air conditioning unit that needs to get fixed. It’s probably getting hot in there at the heat of the day, but thank you so much, Matthew, for your time. You’ve been a great guest.

Matthew: Oh, thank you. I would encourage anybody that’s interested in trying a free trial of Constant Contact, if you haven’t used it, or haven’t been using in a while, you can visit coschedule.constantcontact.com. Give it a try.

The last thing I’ll say is, I’m sorry I’ve eaten so much of your time. I love talking and training for a living. Constant Contact, what we’re most well-known for is our education support. Marketing is too important to do without some knowledge, and I’m so happy to share that knowledge with everybody today.

Eric: We definitely felt it, heard it, you’re a fantastic resource. If you’re listening, check out Constant Contact. I’ve got tons of great information on email marketing as well. And hey, we integrate. Yahoo!

All right, thank you so much, Matthew. Have a great, great afternoon.

Matthew: Thanks a lot, everybody. Thanks, Eric.

Subscribe to the Actionable Marketing Podcast

The post How To Squeeze Every Drop Of ROI From Your Email Marketing With Matthew Montoya From Constant Contact appeared first on CoSchedule Blog.




Sites Relacionados:

Menos escolha garante mais clientes? Como usar a psicologia no seu site!

Trabalho como tradutor a partir de casa pela Internet

https://teleingressos.com.br/5-opcoes-de-entrega-de-mercearia-valem-o-preco-porque-tornam-a-vida-mais-facil/

Charles Ong Snapchat – CharlesNgo.com

Porque a Dieta Detox tem feito tanto sucesso?

https://weeventos.com.br/verpixeln-de-fotos-em-javascript-codigo-bude-net/

https://multieletropecas.com.br/eletronicos-para-cozinha/

https://proverasfestas.com.br/diretrizes-de-postagem-de-convidados-por-google-stop-procurando-por-backlinks-2/

Vender e comercializar na net: não está sem, mas vai com estilo