Negócios de roupas no Líbano: um estudo de mercado

O negócio de vestuário no Líbano está crescendo devido ao renovado progresso político que permitiu que a economia prosperasse, o que, por sua vez, proporcionou aos consumidores libaneses um aumento na renda disponível. Esta renda disponível pode ser enviada sobre o que de outra forma poderia ser considerado o luxo da vida, como vestuário. Beirute, a capital do Líbano, já foi conhecida como Paris do Oriente Médio, devido a uma população que gozava de um estilo de vida de sofisticação cultural. A cultura libanesa coloca ênfase especial no vestuário, uma vez que, tradicionalmente, a forma de vestimenta de uma pessoa indicava seu status na sociedade. Além disso, o Líbano é uma sociedade altamente cultural e politicamente diversa, de modo que a roupa é usada para indicar a afiliação religiosa e política de um.

O negócio de vestuário no Líbano é baseado em duas categorias principais.

Categoria

Comércio. Como o Líbano está localizado a leste do Mediterrâneo e limita com a Síria, é uma importante fonte de vestimentas para o Oriente Médio. Os importadores de vestuário libaneses fornecem mercadorias por atacado para contas de varejo nacionais e para lojas de varejo através do Oriente Médio. Muitos países que não gozam de canais de comércio direto entre si usam empresários libaneses como homens do meio. Outra vantagem que o Líbano desfruta é a sua diversidade religiosa, o que permite que seus empresários se movam com facilidade ao fazer negócios no Oriente Médio, onde a afiliação religiosa pode ser um fator importante.

Categoria

Vestuário doméstico Compradores. Os cidadãos libaneses gostam de se vestir bem e, dependendo da sua afiliação, usarão roupas ocidentais ou mais roupas tradicionais do Oriente Médio. Jeans, calças e calças são itens populares ao longo da população masculina.

O desgaste de vestimenta para mulheres é baseado em sua afiliação religiosa e cultural, com algumas mulheres vestindo a Burka tradicional, enquanto outras mulheres preferem se vestir com modas feitas sob medida européias. A maioria da população é cristã, drusa ou musulmana, e usará vestuário de acordo com suas sensibilidades religiosas. Por causa do terreno e da localização do Líbano, o inverno é frio o suficiente para a neve, e seu verão pode ser bastante quente, exigindo roupas de inverno, como jaquetas e casacos, e shorts e camisetas para os meses mais quentes. O cidadão libanês médio ganha US $ 15.000 por ano, embora este valor possa ser substancialmente maior em Beirute, onde muitas corporações internacionais, bancos e importadores estão localizados.

As preferências para as marcas ocidentais são prevalentes entre os 35 e os menores de idade, mas seu poder de compra pode ser limitado pelos seus recursos econômicos. Os consumidores da categoria de 35 e mais têm uma preferência por um desgaste mais elegante, como roupas de negócios e vestidos sociais. A maioria dos moradores da cidade, que, em média, ganham mais do que seus pares costeiros e do sul, comprarão os mesmos nomes de marca que são apresentados nos shopping centers americanos e europeus. Há também renomados designers libaneses, como Sam Hourani e Nidal Zihar, que apreciam um forte seguimento.

O vestuário é vendido a consumidores de lojas independentes, como Marina Rinaldi e Guisso Haute Couture, e de grandes cadeias do Oriente Médio, como Azadea e Eternity Fashions. Um dos benefícios do sistema financeiro altamente desenvolvido do Líbano é que os consumidores podem aproveitar as plataformas de compras e pagamento on-line, como cartões de crédito, cartões de débito e pagamentos eletrônicos diretos.